Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

WC portátil e ecológico

Mäyjo, 27.01.17

casa de banho_a

A vila flutuante de Prek Toal, no Camboja, está a colocar o poder natural de filtro das plantas das zonas húmidas ao serviço da população, retirando os contaminantes presentes nos seus esgotos. Desde sempre que as vilas flutuantes no lago Tonle Sap enviam os dejectos humanos directamente para a água, mas a bactéria tem causado várias doenças na população e nos animais que fazem de Tonle Sap o seu habitat – entre elas a cólera, diarreia ou simples náuseas.

 

Prek Toal é uma das 200 vilas flutuantes do lago, que é casa para mais de 100.000 pessoas. A pequena vila encontra-se totalmente depende do lago: as suas escolas, casas, mercearias e até a esquadra de polícia são flutuantes.

Até agora, a maioria da população utilizava o lago como casa de banho, mas o cenário está a mudar. Estão a ser construídas casas de banho flutuantes que irão manter o local saudável com a ajuda das plantas nativas, que irão filtrar os resíduos antes de os fazer regressar ao lago.

Desenvolvida pela Wetlands Work, a casa de banho envia todos os resíduos humanos para uma espécie de casulo que contém plantas como hiacintos, que têm os microrganismos necessários para embeber os resíduos das toxinas na água. Estes micróbios poderosos podem limpar a água até 99,999999%, retirando bactérias como a E. Coli sem utilizar químicos.

As Handy Pods – assim se chamam as casas de banho – podem também ser feitas a partir de materiais locais, sem custos ou impacto ambiental. Financiado pelo Grand Challenges Canada, o projecto da Wetlands Work está a ser trabalhado em parceria com o WaterAid Cambodia.

 

 

 

Como transportar uma árvore?

Mäyjo, 22.01.17

2

EMPRESA AUSTRALIANA CRIA ENGENHO QUE RECOLOCA ÁRVORES SEM AS MATAR

A empresa ArborCo, sediada na cidade de Melbourne, a sul da Austrália, que se especializa no tratamento e transplantação de árvores, criou recentemente um engenho que recoloca árvores sem as matar.

 

Em associação com a VicRoads – empresa do estado australiano de Victoria que planeia, desenvolve e administra a rede de estradas -, a ArborCo começou a transplantar árvores como parte de obras entre duas estradas em Berwick, um subúrbio da cidade de Melbourne.

Para tal, a ArborCo utiliza um camião com equipamento especial para cavar e retirar árvores sem danificar as suas raízes, para depois as transportar de forma segura para o seu novo local. De forma rápida e eficaz, e sem agredir o ambiente, tudo fica resolvido.

Este tipo de maquinaria é capaz de evitar o corte de muitas árvores, que muitas vezes acabam por ser derrubadas para a realização de obras devido à impossibilidade de serem transportadas para novos locais.

O transplante de árvores é realizado quando as árvores maduras crescem e ficam inadequadas no local em que estão. A ArborCo transplanta as árvores de todas as idades e tamanhos, podendo também adquirir árvores maduras para novas funcionalidades ou paisagismo.

A equipa da ArborCo realiza todos os aspectos das operações de transplante de árvores maduras, o que requer conhecimento especializado em arboricultura, bem como experiência, habilidade e equipamentos que poucas pessoas possuem.

 

GERMINATOR, O CASACO QUE NOS PROTEGE DOS GERMES NOS TRANSPORTES PÚBLICOS

Mäyjo, 21.01.17

casaco-1

Se sofre de misofobia ou simplesmente não gosta de contactar com superfícies tocadas por centenas de pessoas mas, ainda assim, tem de utilizar os transportes públicos, já existe uma alternativa mais discreta às soluções desinfetantes extremas.

 

Chama-se Germinator e é um casaco que protege todo o tronco, zona facial e mãos e pode ser utilizado em todos os transportes públicos e estações. A peça é feita de um material respirável, resistente à água e possuiu um colarinho alto de tecido antimicrobiano de prata fundida, que pode ser fechado em torno da cara e funciona como máscara de proteção contra os germes.

O casaco possui ainda uma protecção amovível de mãos que permite aos passageiros segurarem-se nos transportes sem terem de contactar diretamente com as superfícies. Adicionalmente, os bolsos do casaco funcionam como um sistema de ventilação, que arrefecer o interior do caso e reduzem a necessidade de despir a peça de vestuário no interior dos transportes. Existem também vários bolsos que permitem um acesso rápido a cartões e telemóvel.

O casaco custa cerca de €155 e resulta de uma parceria entre o Gravitytank e a Betabrand, que tinha como objectivo ajudar a prevenir doenças que são facilmente transmitidas entre os utilizadores de transportes públicos.

A CIDADE ESPANHOLA QUE GERE TODOS OS SERVIÇOS PÚBLICOS PELO TWITTER

Mäyjo, 09.01.17

twitter_SAPO

A cidade de Jun, em Granada, é a primeira do mundo a gerir todos os seus serviços públicos através do Twitter. Com apenas 3.500 habitantes, a cidade tem um passado ligado à inovação comunitária, na forma como integra os seus habitantes com a administração pública, e esta nova estratégia de atendimento aos munícipes não foge à regra.

 

“O Twitter criou a sociedade ao minuto: perguntas rápidas e respostas rápidas… decidimos que todos [os funcionários públicos] têm que ter uma conta [lá], para que possam ver se as pessoas valorizam o seu trabalho”, explicou o mayor de Jun, José António Rodríguez [na foto], ao Guardian.

Ligados ao Twitter, os serviços públicos podem responder rapidamente às dúvidas dos cidadãos, disseminando todas as informações que lhes possam interessar – cerca de 600 habitantes de Jun já assinaram o serviço e podem partilhar informações sobre crimes, reservar salas para reuniões na câmara municipal, identificar lâmpadas que estejam fundidas e até marcar uma consulta no médico.

Os cidadãos mais idosos, menos representados nas redes sociais, estão também a ser incentivados a utilizar o Twitter – alguns estão a ter aulas para esse efeito. Na verdade, toda a cidade tem wi-fi e existem computadores que podem ser utilizados na própria câmara municipal, por isso não existe nenhuma discriminação na utilização desta nova forma de comunicação.

Neste novo panorama mediático, o varredor municipal é a grande atração do Twitter de Jun – os cidadãos não param de lhe agradecer o serviço e chamam-no à atenção para novos locais que devem ser limpos.

JOVENS CRIAM PUXADOR DE PORTA QUE ELIMINA 99,8% DOS GERMES

Mäyjo, 08.01.17

puxador_SAPO

Dois jovens de Hong Kong criaram um novo puxador de porta capaz de eliminar 99,8% dos germes das mãos com um simples toque, o que poderá vir revolucionar a indústria dos produtos higiénicos.

 

Apercebendo-se da facilidade de propagação das bactérias nos puxadores e maçanetas das portas de edifícios públicos, centros comerciais ou edifícios de escritórios, Sun Ming Wong, de 17 anos, e King Pong Li, de 18 anos, procuraram um material que conseguisse eliminar de forma eficaz e prática estas bactérias. Depois de uma extensa investigação os jovens chegaram à conclusão que o óxido de titânio, quando ativado, era o material indicado para exterminar as bactérias.

Os jovens decidiram cobrir o óxido de titânio com uma camada de pó fino e polvilharam uma maçaneta com a mistura. Porém, a mistura de pó e óxido é mais eficiente quando exposta a luz ultravioleta. Uma vez que a maior parte dos objectos propícios a espalhar germes estão em espaços fechados era necessário encontrar uma forma de expor o óxido à luz ultravioleta.

Então, os jovens desenvolveram o seu próprio puxador, que incorpora uma luz LED que permite activar o óxido de titânio. A lâmpada é alimentada uma caixa de velocidades instalada na porta que armazena a energia cinética do movimento da porta e a converte em electricidade. Assim, quando uma pessoa puxa a porta a luz ultravioleta é ligada e ativa o óxido de titânio que elimina 99,8% dos germes das mãos, escreve o Inhabitat.

Além de o puxador ter um potencial enorme, tem um preço de venda de €11,4. Assim, não será de espantar que dentro em breve possamos ter puxadores germicidas nos nossos edifícios.